domingo, 26 de novembro de 2006

Desespero


Há dias em que o mundo parece que está a acabar, tudo parece um fim e a nossa vida um caos.
O desespero de viver esta vida desgasta-me, mata-te um pouco todos os dias. O dia que começa e que parece nunca mais acabar.
O futuro que tento perceber mas não há meio de o encontrar.
O querer saber o que fazer mas não encontar solução.
Passa o tempo e eu não me mexo pois o medo e o desespero é tão grande que não me deixa agir.
A faca que me atinge quando dor do pensamento e da vida me envolve.
Por favor desaparece da minha vida, deixa-me continuar a travar as minhas lutas, os meus desejos e a minha pena...

sábado, 4 de novembro de 2006

Infinito!



Orndes estás alma despedaçada?
Deixa-me levar-te para a cura
Pois eu sei onde encontrá-la!

Chega-te perto de mim,
Não temas, pois o que te direi
apenas a ti, nao deixo fugir.

Deixa-me levar-te comigo,
Porque também eu estou como tu,
Para um sítio onde não tens que fingir.

Levo-te, minha cara amiga,
Para nunca mais voltarmos.

Levo-te...
E perderemo-nos no Infinito!